quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Introdução a Anatomia Humana

Do latim Ana tem o significado “em partes” e tome tem por significado “cortando”, ou seja, é a ciência que estuda a estrutura do corpo, visa a compreensão e estudo das partes que compõem o corpo humano. Physis é igual à natureza e Logus tem o significado de estudo, é o estudo da matéria viva, órgãos e sistemas com a compreensão dos mecanismos, fatores químicos e físicos que originam, progridem e mantem a vida, ou seja, seu funcionamento. A anatomia é a ciência da estrutura do corpo. E vale a pena ressaltar que a anatomia está para a fisiologia assim como a história esta para a geografia, pois a anatomia prove o local para os eventos. Embora o interesse primordial da anatomia seja a estrutura, a estrutura e a função devem ser consideradas simultaneamente.
Para fixar, anatomia é a ciência que estuda macro e microscópicamente, a constituição e o desenvolvimento dos seres organizados.

Normal, Variação Anatômica, Anomalia e Monstruosidade

Normal para a anatomia seria o mais comum, o que se encontra na maioria dos casos. Enquanto que variação anatômica é o que foge do normal sem prejuízo da função. Do contrário, a fuga da normalidade com prejuízo da função é chamada de anomalia, se essa anomalia for for tão profunda com prejuízo da função, deformando a construção do corpo, sendo, em geral, imcompatível com a vida, é uma monstruosidade.

Nomeclatura Anatômica

É a linguagem própria da anatomia, ou seja, conjunto de termos empregados para designar e descrever o organismo ou suas partes. Com o acúmulo de conhecimentos no final do século passado, graças aos trabalhos de importantes “escolas anatômicas” (sobretudo na Itália, França, Inglaterra e Alemanha), as mesmas estruturas do corpo humano recebiam denominações diferentes nestes centros de estudos e pesquisas. Em razão desta falta de metodologia e de inevitáveis arbitrariedades, mais de 20 000 termos anatômicos chegaram a ser consignados (hoje reduzidos a poucos mais de 5 000). A primeira tentativa de uniformizar e criar uma nomenclatura anatômica internacional ocorreu em 1895. Em sucessivos congressos de Anatomia em 1933, 1936 e 1950 foram feitas revisões e finalmente em 1955, em Paris, foi aprovada oficialmente a Nomenclatura Anatômica, conhecida sob a sigla de P.N.A. (Paris Nomina Anatomica). Revisões subseqüentes foram feitas em 1960, 1965 e 1970, visto que a nomenclatura anatômica tem caráter dinâmico, podendo ser sempre criticada e modificada, desde que haja razões suficientes para as modificações e que estas sejam aprovadas em Congressos Internacionais de Anatomia . A língua oficialmente adotada é o latim (por ser “língua morta”), porém cada país pode traduzi-la para seu próprio vernáculo. Ao designar uma estrutura do organismo, a nomenclatura procura utilizar termos que não sejam apenas sinais para a memória, mas tragam também alguma informação ou descrição sobre a referida estrutura. Dentro deste princípio, foram abolidos os epônimos (nome de pessoas para designar coisas) e os termos indicam: a forma (músculo trapézio); a sua posição ou situação (nervo mediano); o seu trajeto (artéria circunflexa da escápula); as suas conexões ou inter-relações (ligamento sacroilíaco); a sua relação com o esqueleto (artéria radial); sua função (m. levantador da escápula); critério misto (m. flexor superficial dos dedos – função e situação). Entretanto, há nomes impróprios ou não muito lógicos que foram conservados, porque estão consagrados pelo uso.

Posição Anatômica

É a posição padrão do corpo humana para a anatomia, para evitar diferentes descrições.

  • Indivíduo em posição ortostática e ereta, com a face voltada para a frente, o olhar dirigido para o horizonte, membros superiores estendidos, aplicados ao tronco e com as palmas voltadas para frente, membros inferiores unidos, com as pontas dos pés dirigidas para frente.
Divisão do Corpo
O corpo humano divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A cabeça corresponde à extremidade superior do corpo estando unida ao tronco por uma porção estreitada, o pescoço. O tronco compreende o tórax e o abdome com as respectivas cavidades torácica e abdominal; a cavidade abdominal prolonga-se inferiormente na cavidade pélvica. Dos membros, dois são superiores ou torácicos e dois inferiores ou pélvicos. Cada membro apresenta uma raiz, pela qual está ligada ao tronco, e uma parte livre.
Planos de Delimitação e Secção do Corpo Humano
Na posição anatômica o corpo humano pode ser delimitado por planos tangentes a sua superfície. Para facilitar a compreensão da relação entre as estruturas, uma em relação à outra, planos de referência imaginários passam atravez do corpo e o dividem.
  • Plano sagital ou mediano; divide o corpo em metades simétricas direita e esquerda.
  • Plano frontal; um plano que passa pelo corpo de cima a baixo, situado em ângulo reto com o sagital, dividindo o corpo em partes anterior e posterior.
  • Plano transversal ou horizontal; divide os corpo em metades inferior e superior.
Termos de Posição e Direção
A situação e a posição das estruturas anatômicas são indicadas em função dos planos de delimitação e secções.
  • Anterior (ventral)
  • Posterior (dorsal)
  • Superior (cefálico)
  • Inferior (caudal)
  • Lateral
  • Medial
  • Distal
  • Proximal
  • Superficial
  • Profundo
Formas de Estudo
  • Cadáveres
  • Seres Humanos
Métodos de Estudo
  • Anatomia de superfície
  • Palpação
  • Percussão
  • Auscuta
  • Instrumentação.
  • Anatomia radiológica.
  • Anatomia do desenvolvimento.
Postar um comentário